A BELEZA DO UNIVERSO – OBRA DO CRIADOR

Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter

Estou contemplando as flores do jardim e do pomar de minha casa. As pequenas árvores que me rodeiam estão cheias de flores que exalam um perfume delicioso. É antevéspera de setembro. Meu pé de limão está carregado de flores cujo aroma é muito bom.

 

Suas pétalas pequenas de coloração branca deixam o pomar extraordinariamente belo, alguns limões já despontaram e outros já estão grandinhos com sua linda cor verde forte. Alguém já disse que se a vida apresentar um limão deve-se fazer dele uma limonada. Gosto de limão e de limonada sem açúcar, seja ela suíça ou não. As propriedades saudáveis do limão são bênçãos do Criador. Mas um pequeno limoeiro, cheio de flores, é um encanto e motivo de louvor ao Senhor Deus dos céus e da Terra.

Ao lado dele está meu pé de laranja lima. Ele também é pequeno, mas do alto de seu metro e meio ele exubera. Milhares de flores, centenas de abelhas sugando o néctar saem cheias de polens e voam em todas as direções para polinizar outras flores e fabricarem seus meles deliciosos. Uma única laranja, temporã, colore de amarelo prematuramente, todo o branco do conjunto.

O Sol brilha, seus raios fazem com que o passaredo se aqueça e se manifeste alegremente com seus cantos maviosos, com trinados, chilreios e assovios que nos alegram o coração.

A pitangueira, parecendo não querer ficar para trás, também se cobriu de branco com flores menores ainda, de delicadeza principesca, misturando suas novas folhas de um marrom claro, com as mais velhas verdes e reluzentes. Mais ao longe é a vez da mangueira com cachos de flores amareladas, que tomam o formato de pequenos pinheiros de natal.

Mas o que dizer das amoreiras? Flores e frutos se confundem como se fossem as miríades de estrelas do firmamento. Extasiado contemplo a prodigalidade da natureza criada por meu Deus. (Salmo 24.1-2).

A beleza incomparável das glicínias, que pendem como grandes cachos de uvas de uma parreira bem cuidada. Suas flores lilases são contrastantes com todas as demais, do jardim saudando as do pomar.

O azul do céu, pontilhado de nuvens brancas, com o brilho de Sol de fim de inverno, mostrando ainda o espetáculo da lua quarto - crescente às três horas da tarde, é extasiaste. (Salmo 19.1-6). O Sol, que é uma estrela de quinta grandeza, e seus nove planetas mais as várias constelações de estrelas formam nossa galáxia, a chamada Via Láctea. O diâmetro solar é cerca de 109 vezes maior que o da Terra, que tem 12.750 km; sua massa é mais de 330.000 vezes a de nosso planeta. O diâmetro do Sol é de 1.384.000km; Júpiter tem 143.000 km; Saturno tem 119.000km; Urano tem 46.700km; Netuno 45.000 km; Terra 12.750; Vênus 12.150; Marte 6.750km; Mercúrio 4.800; Plutão 2.400km.

Nosso Deus que tudo criou: céus, terra, céus dos céus, flores e frutos, limões e laranjas; estrelas e planetas; aves e animais, répteis e insetos, tudo criou para aquele que Ele colocou como a coroa da criação – O HOMEM – você e eu. (Salmo 8.3-9). A noite cai cedo no fim de inverno. Olho agora para o céu e vejo a lua, as estrelas com suas constelações diversas.

Vejo apenas uma pequenina parte de nossa enorme galáxia com seus milhares e milhares de estrelas, mas a Via Láctea é apenas uma entre inúmeras outras na imensidão do Universo. Nossa Terra é um pequenino ponto, quase impercebível, se olhado do espaço sideral. Nós somos tão menores que a Terra, se a Terra é um pontinho menor que a cabeça de alfinete na escala dos planetas de nosso sistema solar, o que somos nós?

No entanto, fomos criados por Deus para Sua honra e glória, mas é Ele quem nos dá a dignidade de termos sido criados à Sua imagem e semelhança.

Que é o homem para que Te lembres dele?” E Deus nos coroa de glória e de honra.

PASTOR PAULO ROBERTO SÓRIA

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

KZ Contratipos